5 fatos que provam que serverless não é tão caro assim

Gráfico que exibe as vantagens de utilizado serverless em relação ao método tradicional

Se o título atraiu você provavelmente você está familiarizado com o termo serverless, mas para introduzir a galera que caiu de paraquedas por aqui, serverless é uma arquitetura na qual nós “não precisamos” de servidores para hospedar nossos códigos. Nós simplesmente escrevemos os nossos códigos, escolhemos um player do mercado e colocamos o código lá. Depois é só chama-lo e tá feito! Você pode entender melhor sobre serverless nesse artigo que eu escrevi aqui no blog: Como hospedar seu app sem servidor?

Feita a introdução, vamos ao objetivo!

Calcular a execução de uma função na arquitetura serverless pode ser uma tarefa extremamente difícil, isso porque os principais players do mercado estruturaram seu modelo de negócios baseado em tempo de execução dessa função, o que é extremamente justo, mas o valor “pode” ser salgado dependendo de várias variantes.

1 – Tempo de execução

Partindo dessa premissa, você como programador, precisa garantir que o código vai perder menos tempo possível, afinal de contas, mais do que nunca o termo “time is money” se aplica nesse caso.

Muitas tecnologias podem ser adotadas por aqui, algumas bem simples como a utilização de um try/catch na chamada de suas funções ou simplesmente usando uma linguagem de programação compilada como o Go, que faria seu código rodar mais rápido, consumir menos recursos e consequentemente gastar menos dinheiro.

Além das técnicas já citadas não podemos esquecer da utilização do paradigma de desenvolvimento funcional para as linguagens que suportam esse tipo de desenvolvimento com certeza é um ponto para observarmos. Em Javascript por exemplo existe um ganho considerável apenas utilizando as abstrações existentes como map, filter e reduce. Além disso, são essas técnicas que propiciam que softwares de análise de big data como o Apache Hadoop funcionem.

2. Infraestrutra

Não só de máquinas e cabos são feitas as estruturas de uma organização, seja essa estrutura on promisses (instalada localmente na sua empresa) ou na nuvem (cloud computing) precisa de um time para orquestrar todos aqueles servidores que você suou para pagar ou para convencer sua diretoria a pagar.

Por mais que ainda vejamos muitos casos em que empresas ainda utilizem infraestrutura de datacenter local, seja por regras governamentais, seja por necessidade de disponibilidade imediata (altíssima latência), softwares não projetados para escalar em nuvem, ou qualquer outro motivo (eu poderia passar horas por aqui hehe), já sabemos que essa prática é tem um peso muito grande a ser carregado. Máquinas depreciam, tem um custo elevado e normalmente tem capacidade ociosa.

Em se tratando de máquinas, imagine que você tem um software hospedado em nuvem pública em uma máquina virtual. Você tem todos as buzz words de tecnologias configuradas no melhor player do mercado com alta performance e redundância configurados num nível nunca visto antes. Você se sente super feliz com isso! Eu também me sentiria. Entretanto, mesmo que podendo adicionar memória, processamento e disco quando lhe der vontade ou quando a máquina precisar, você não pode adicionar apenas hipotéticos 123 Mhz de processamento, você tem uma quantidade pré-definida pelo seu serviço de hospedagem na qual é possível adicionar, sem contar os reboots que seriam necessários, você certamente está perdendo dinheiro com capacidade ociosa, mesmo que pouca, você está perdendo dinheiro.

Com a utilização de serverless, a sua função é chamada, ele faz o que tem que fazer em um tempo X e te devolve o resultado. Pronto! Usou? Pagou pelo que usou.

Tenho uma longa carreira na área de infraestrutura e sempre foi um desafio propor para a direção o aumento da capacidade computacional do datacenter, isso porque normalmente era visto exatamente dessa forma que eu estou colocando aqui: desperdício de recursos financeiros (apesar de ser cobrado quando a coisa parava heheh) e como exemplo posso citar também a capacidade ociosa que existe, principalmente em estruturas on promisses com máquinas físicas, onde você tem uma máquina que suporta 100 usuários, sua empresa cresce e você tem 110 usuário, você não consegue comprar uma máquina que suporte 10 usuários (e também não faria sentido não ter margens de crescimento nesse paradigma), talvez, você precisará comprar outra(s) máquina(s) que suportem 100 usuários e pagar esse spread ocioso de recursos.

3. Pessoas, mais especificamente: DEVOPs

Não é uma caça as bruxas, nem a extinção desse profissional, muito pelo contrário. Esses caras sempre foram extremamente importantes e são ainda mais hoje em dia.

A questão aqui é que mesmo utilizando tudo em nuvem, se você não tem conhecimento suficiente para orquestrar o ambiente onde roda a sua aplicação, você vai ter que contratar alguém para fazer isso por você, justo! Mas porque ter esse custo e ainda ter todos os custos de ociosidade que eu comentei ali em cima se eu posso não ter?

Cabe ressaltar que dependendo do nível e do tamanho da aplicação é extremamente importante que você estruture e a mantenha com um DEVOP, mesmo utilizando serverless.

4. Performance

Imagine você que em um dia extremamente atípico o seu e-commerce, principal canal de vendas do seu negócio, teve, ao invés dos 5 mil acessos diários, 1 milhão de acessos que repercutiu em vendas e visibilidade para o seu negócio. A sua infraestrutura sem serverless, on promisses ou na nuvem, suportaria essa demanda sem quebrar? Sem ficar lenta ou indisponível? Ora, responde eu mesmo: provavelmente não!

Com o serverless, você com certeza vai pagar por essa demanda (e bastante), mas o seu usuário não será impactado por qualquer um desses fatores, já que estamos falando de players como Amazon Lambda, Microsoft Azure Functions e Google Cloud Functions por exemplo. Acho que temos bastante capacidade computacional com esses caras, certo?

5. Planos gratuitos

Pensando como uma startup todo o centavo é muito importante e se conseguimos economizá-los, isso se reverte em café em cima da mesa, café se transforma e código-fonte e por aí vai…

Brincadeiras à parte, a maioria dos players, grandes ou não, oferecem planos gratuitos, claro que com suas limitações, mas certamente atende as suas demandas de teste, MVP e lançamento do seu produto.

Conclusão

Serverless ainda é caro, complexo de ser medido e provisionado (valores monetários), mas assim como vários outros aspectos da sua startup, precisa ser analisado com atenção, principalmente aos fatores indiretos ligados a sua implementação. Também é necessário ficar atento à operação continuada e entender o momento certo de migração, caso necessário. Isso pode ser um fator muito importante dentro da sua organização.

Eu uso serverless como premissa da minha estrutura e você?

Gostou do artigo? Consegui agregar valor para você? Se sim, indique para um amigo para que ele também fique esperto no assunto.

Obrigado por vir até aqui.

Vamos fazer coisas incríveis hoje?

Fallback CSS e JS para jQuery

Tela com os erros de carregamento do site do Materialize

E aí pessoas, tudo certo?

Se você achou esse post pelo Google, dificilmente você não sabe o que é fallback, mas para quem chegou aqui de outra forma, aí vai. Fallback é o termo que usamos para mitigar a falta de algum arquivo. Por exemplo, se você está usando um arquivo em um CDN e por algum motivo esse arquivo não exista mais ou esteja com algum problema de acesso, nós testamos se alguma função desse arquivo funciona, se ela retornar um erro, a gente carrega esse arquivo localmente para que a experiência do usuário não seja afetada, afinal de contas ele não tem nada a ver com isso, certo?

Por que eu faria isso?

Mas aí você pode estar se perguntando: por que diabos eu me preocuparia com isso se eu já uso CDN, que de certa forma garante que tudo funcione sempre para mim? Ora, respondo eu mesmo: eu já fui estou “bloqueado” por CORS pelo jQuery por testar aplicações com o CDN em localhost. Isso faz com que eu não consiga usar os recursos que dependem de jQuery em sites que não tenham fallback. Um exemplo de site é o do Materialize, eu simplesmente não consigo acessar os menus (collapse). Mas felizmente uso IP dinâmico e assim que eu conseguir fazer com que alguém na operadora de internet entenda o que eu estou falando, eu trocarei o IP de borda.

Observe as mensagens de erro no console.

Tela com os erros de carregamento do site do Materialize
Captura de tela com erros de carregamento do Materialize

Failed to load resource: the server responded with a status of 403 (Forbidden)
jquery-3.2.1.min.js:1 Failed to load resource: the server responded with a status of 404 ()
jquery.timeago.min.js:1 Uncaught ReferenceError: jQuery is not defined
at jquery.timeago.min.js:1
at jquery.timeago.min.js:1
search.js:396 Uncaught ReferenceError: jQuery is not defined
at search.js:396
init.js:259 Uncaught ReferenceError: jQuery is not defined
at init.js:259

Fallback para Javascript

Para fazer com o que o seu usuário tenha a mesma experiência, garanta que ele consiga acessar o arquivo do seu próprio servidor, caso o CDN falhe.

Para o javascript fazemos isso testando alguma funcionalidade que só o arquivo js em questão contenha.

Coloque esse código antes da tag </body>.

<script src="https://cdnjs.cloudflare.com/ajax/libs/jquery/3.4.1/jquery.min.js"></script>
<script>  window.jQuery || document.write('<script src="/content/js/libs/jquery-1.7.1.min.js"><\/script>')</script>

Observe que na primeira linha tentamos carregar o arquivo normalmente no CDN e na segunda linha testamos se a função window.jQuery existe, caso não exista a gente carrega o arquivo local. Obviamente, você precisa ter o arquivo salvo no seu servidor.

E o CSS?

Geralmente ocorre o mesmo com o CSS, mas como aplicar essa mesma lógica para o CSS, se ele é só uma folha de estilos?

.invisible {
       display: none;
}

Para fazer isso, nós vamos criar uma div invisível e verificar se ela realmente está invisível por exemplo.

Dentro do arquivo CSS que a gente quer testar, a gente deixa a div invisível

Depois, colocamos o elemento que vai nos ajudar a testar a funcionalidade no body da pagina

<div class="invisible"></div>

Por fim a gente usa uma função em Javascript / jQuery para verificar se o CSS definido no arquivo foi aplicado.

<script>
    // CSS Fallback
    $(function () {
        if ($('.invisible:first').is(':visible') === true) {
            $('<link rel="stylesheet" type="text/css" href="/assets/css/jquery.css" />').appendTo('head');
        }
    });
</script>

A lógica é a mesma, se o CSS não foi aplicado talvez o arquivo não foi carregado, então nós mesmos carregamos ele do nosso servidor local.

Conclusão

Basicamente a lógica é a mesma tanto para javascript quanto para CSS, a diferença é como fazer o teste. Fique atento que para testar o CSS você precisa do javascript e não necessariamente do jQuery, mas já que você já o carregou para outra tarefa, não custa usá-lo.

Vale lembrar também que essa lógica pode ser usada para qualquer arquivo, não apenas para o jQuery.

Referências

Mas por que ter esse trabalho se eu posso usar direto do meu sistema de aquivos e garantir a experiência do usuário da mesma forma?

Tem a ver com performance, cache e otimização de recursos do seu servidor. Falarei mais sobre isso em posts de performance, SEO e CDN em breve.

Espero ter ajudado! Grande abraço!

Como testar o envio de e-mail sem ter um servidor de e-mails

E aí gurizada do café, tudo tranquilo?

Enquanto você desenvolvia uma aplicação, você já teve que testar o envio de e-mails e não tinha um servidor de emails para fazer isso? Ou tomou aquele sufoco para configurar e autenticar o seu servidor? Quem nunca?

Existe uma aplicação pra nos ajudar com esse pepino… o nome dela é jenifer, digo Mailtrap 🙂

Para começar a brincadeira você precisa fazer um cadastro super simples e que pode ser feito por login social (Google ou GitHub).
Até o dia em que eu postei esse texto, existem várias formas de contratação onde a diferença entre os planos é basicamente as quantidades das features, mas o que nos interessa por aqui é a conta free, não é mesmo?

A conta free te permite ter apenas um projeto configurado, uma mailbox, nenhum redirecionamento/encaminhamento, 500 mensagens e as mensagens são apagadas todo o mês. Perfeito pra gente que só quer testar a API 🙂

Após o cadastro você será redirecionado para a tela inicial com a sua mailbox já configurada. Nessa parte você só pode trocar o nome, se preferir… ou deletá-la.

Tela inicial do mailtrap com sua mailbox criada.

Ao clicar na mailbox, nese caso “Minha inbox”, você será redirecionado para a página inicial da sua mailbox.

Página principal da ferramenta mailtrap, contendo as configurações do serviço e mensagens

Aqui que a mágica acontece… nessa página você tem todas as informações para configurar na sua aplicação, seja ela desenvolvida em Node.js, PHP, Ruby on Rails, etc…

Depois de integrar na sua aplicação e testar, é só clicar nas mensagem que ficam no painel da esquerda e visualizá-las.

E aí, essa ferramenta parece útil para você? Comente aí em baixo se te ajudou e sugere alguma coisa que você gostaria de ver por aqui.

Grande abraço!

Easter Egg do Thanos no Google

Easter Egg do Thanos no Google

Não sei quem surpreende mais, o Google ou a Marvel. Na ocasião do lançamento do filme da Capitã Marvel, eu fiz um post sobre o site do filme que causou uma nostalgia tremenda nos programadores tiozões como eu, você pode conferir esse post aqui.

Se na vez da Capitã Marvel foi a vez da Marvel, agora é o Google quem surpreende. Vai lá, teste você mesmo! Entre no google, pesquise por thanos e clique na manopla…

Capitã Marvel causando nostalgia em desenvolvedores

E aí galerinha do café, tudo tranquilo?

O desenvolvimento web que conhecemos hoje tem um passado nebuloso… hehehe

Hoje em dia temos muita gente nova que provavelmente nem ouviu falar em MIcrosoft Frontpage (eca!), já que na época em que ele “resolvia” alguns problemas, a maioria do pessoal estava nascendo…

Na época, mesmo com uma baita ascensão da internet, programadores web eram vistos com desdenho por programadores desktop, que era o que mais havia. A frase mais comum era “PHP não é linguagem, é tecnologia”, “ASP é gambiarra”, “HTML só formata”, “progama em C que nem gente grande”, etc…

Fato é que a gente não dava muita bola (mesmo eu já programando em C também nessa época heheh) e desenvolvíamos coisas “incríveis” para os sites da escola, da turma, do condomínio, da família e para tudo o que mais poderia haver, sempre com muitos códigos copiados e alterados de diversos tutoriais e upados com o velho FTP.

Recentemente,  iria fazer um comparativo de sites que eu fazia na época para os que rola hoje (a diferença é enorme!!!) para uma talk que fiz na trilha Inspire do TDC, mas a Marvel resolveu isso pra mim. Como o filme da Capitã Marvel rola nos anos 90, eles fizeram o site oficial bem do jeitinho – horrível – que a gente fazia na época. Isso deu uma baita nostalgia!

Confere lá: https://www.marvel.com/captainmarvel/

A web melhorou não é? hehehe

Valeu, grande abraço!

Como remover a senha de uma planilha do Excel xlsx

E aí galera do café, tranquilo?

Post rápido para salvar aquela planilha com a senha perdida 😉

Aproveitem!

 

Este método somente aplica-se a planilhas protegidas por senha. Se o arquivo está protegido com o recurso “Encriptar com uma senha”, ele não funcionará.

  1. Abra o Windows Explorer e habilite a exibição de extensão de arquivos conhecidas. Para isso, pressione a tecla para exibir os menus superiores e entre no menu Ferramenta > Opções de pasta
    Na aba Modo de Exibição, desmarque a caixa Ocultar a extensão dos tipos de arquivo conhecidos e clique em OK.
  2. Altere a extensão do arquivo de .XLSX para .ZIP
  3. Extraia o arquivo para um diretório com o seu extrator favorito (Winzip, 7-zip, tar, etc)
  4. Entre no subdiretório xl e depois em worksheet que você acabou de extrair
    Deverá ter um ou mais arquivos com nomes como: sheet1.xml (sheet2.xml, etc. Eles representam as planilhas que você tem no seu arquivo.
  5. Dentro de cada um destes arquivos terá uma tag XML: <sheetProtection password=… />. Delete esta tag XML inteira usando um editor de texto (como o Bloco de notas, Visual Studio Code, etc).
  6. Re-zip os arquivos novamente.
  7. Renomeie o arquivo de .ZIP para .XLSX

E era isso!
Escrevam aí como foi a experiência de vocês com esse método…

Grande abraço!

Fonte

How to unprotect a password protected .XLSX file – Adam’s Code Blog – http://blog.bitcollectors.com/adam/2011/10/how-to-unprotect-a-password-protected-xlsx-file/

Ocorreu um erro interno no SEFIP. Se o erro persistir reinstale o SEFIP. Como resolver?

Erro SEFIP

Olá!

Se você está tendo esse erro ao abrir o programa SEFIP no Microsoft Windows 10, eu encontrei a solução! 🙂

E ela é bem simples! Basta que você defina a impressora “Microsoft to PDF” como impressora padrão do seu sistema operacional.

Isso acontece porque o programa utiliza essa impressora virtual para gerar os relatórios em PDF e se ela não for a padrão ele nãos abe onde encontrar e dá o famigerado erro!

Conte aí nos comentários as respostas do suporte da Caixa referente à esse erro. Aqui na empresa escalaram o chamado e mandaram formatar a estação de trabalho hehehe

Grande abraço.

Espero ter ajudado e bom trabalho pra nós!

 

Compactação GZIP com Node.js

Introdução

Em tempos de servidores compartilhados onde cada recurso utilizado dói no bolso no final do mês, é muito importante compactar arquivos, seja para servi-los e economizar na transferência, seja para armazenar em disco. Existem algumas alternativas, uma delas é o Brotli, um projeto do Google que eu escrevi aqui, outra que também é suportada pela maioria dos navegadores é o GZIP e para isso existe uma ferramenta muito tranquila de implementar e que também pode ser utilizada no shell.

Solução

A ferramenta em questão é o Gzipme mantida por Caio Ribeiro Pereira sob licença MIT.

Implementação

No diretório do seu projeto, instale o pacote com o npm.

npm install gzipme
import gzipme from 'gzipme'

// Comprime "file.txt" para "file.txt.gz" no mesmo diretório.
gzipme("file.txt");

// Comprime "file.txt" e sobrescreve o arquivo "file.txt" no mesmo diretório
gzipme("file.txt", true);

// Comprime "file.txt" com o nome "compressed.txt" no mesmo diretório
gzipme("file.txt", "compressed.txt");

// Comprime "file.txt" usando o modo de "melhor" compressão (arquivo menor mas a compressão é lenta).
gzipme("file.txt", false, "best");

// Comprime "file.txt" usando o modo "rápido" de compressão (arquivo maior mas compressão rápida)
gzipme("file.txt", false, "fast");

Para usar  no shell do seu sistema operacional, basta instalar em modo global.

npm install -g gzipme

Os comandos são bem semelhantes às funções.

# O mesmo que 'gzipme("file.txt")'.
gzipme file.txt
# O mesmo que 'gzipme("file.txt", true)'.
gzipme -o file.txt
# O mesmo que 'gzipme("file.txt", "compressed.txt")'.
gzipme -O compressed.txt file.txt
# O mesmo que 'gzipme("file.txt", false, "best")'.
gzipme -c best file.txt
# O mesmo que 'gzipme("file.txt", false, "fast")'.
gzipme -c fast file.txt

É isso aí! Tente aplicar esse conhecimento conforme o seu projeto necessita 🙂

 

Grande abraço!

Compactando arquivos para a web com Brotli

Introdução

O assunto compactação normalmente é tratado na hora do deploy da aplicação, seja observando os relatórios de performance, como por exemplo o LigthHouse em caso de PWA ou seja simplesmente acessando o aplicativo e percebendo que ele está muito, as vezes muitooooo lento.

Fato é que esse assunto é o que envolve o maior número de engenheiros em empresas de desenvolvimento maiores e os navegadores já estão aptos à ajudar a resolver o problema e se não tiver, usa o GZIP mesmo.

 

A solução proposta aqui é o Brotli, um projeto Google que faz a compactação para você ter menos dores de cabeça com performance 🙂

Para usa-lo, utilize o gerenciador de pacotes do seu sistema operacional, eu estou usando um Ubuntu 16.04 LTS.

sudo apt-get install brotli

No caso de uma aplicação Angular, crie um arquivo no chamado Makefile no mesmo nível de onde está o seu package.json, copie o código abaixo e altere o que for necessário para adequar ao seu projeto.

build:
    ng build --prod --aot`

compress: 
    find dist -type f -exec sh -c "gzip < {} > {}.gz" \;
    find dist -type f -not -name "*.gz" -exec sh -c "bro --input {} --output {}.br" \;

Agora, executando os comandos make build no terminal, gera os arquivos de produção do Angular e o comando make compress gera os arquivos em GZIP e em BR (Brotli) compactados.

Não se preocupe que o seu servidor (Ngnx, Apache, etc) saberá o que fazer com eles 😀

Esse assunto sempre dá ibope, conte as suas experiências na seção de comentários…

 

Grande abraço!

Erro re0: Watchdog timeout no PfSense

Introdução

E aí galerinha do café!

Hoje tive que trocar o firewall do cliente de local físico e ao reconectar os cabos de rede, me deparei com esse erro re0: Watchdog timeout. No meu caso a re0 é a interface WAN e a configuração é obtida pelo DCHP da operadora de internet. Se eu conectasse o cabo depois do boot completo do servidor, ele apresentava o erro e travava e se eu ligasse o servidor com o cabo já conectado, ele travava ao obter o endereço IP da WAN.

Configurações

PfSense: 2.3.5 x86
re0: WAN DHCP

O Watchdog

Pra quem não conhece, o whatchdog é um “serviço” muito conhecido em eletrônica e semelhante á handler de eventos em programação. Ele fica monitorando, nesse caso, a porta por novas conexões físicas e a partir de uma conexão ele toma as decisões impostas à ele pela fabricante da placa de rede.

Solução simplificada

Apenas adicione as seguintes linhas no /boot/loader.conf

hw.re.msi_disable=1
hw.pci.enable_msix=0
hw.pci.enable_msi=0

Solução detalhada

  1. Inicie o servidor PfSense sem o cabo conectado e deixe ele completar o boot.
  2. Selecione a opção 8 (Shell)
  3. Digite o comando “vi /boot/loader.conf”
  4. Pressione a tecla “a”
  5. Digite as linhas
    hw.re.msi_disable=1
    hw.pci.enable_msix=0
    hw.pci.enable_msi=0
  6. Pressione a tecla “ESC” + “:” + “x” para salvar e fechar o arquivo
  7. Pressione a tecla “Enter
  8. Plugue o cabo

Observação: eu ainda tive que forçar a obtenção do IP via DHCP na re0

Espero ter ajudado!

Grande abraço.