[Overview] Microsoft BPOS – Parte 1 e 2

BPO – Business Productivity Online

Quando fui apresentado à essa ferramenta, por um grande fornecedor aqui de Porto Alegre, no qual não vou citar, pois, não pedi as devidas permissões [ainda], realmente fiquei maravilhado. Apesar do fascínio por OpenSource da pessoa que vos escreve, realmente fiquei empolgado com o funcionamento da nova nuvem tão investida sonhada pela Microsoft. Ok, ao meu entender ainda estamos longe da situação ótima para a nuvem, pois cá para nós, os links disponibilizados hoje em nosso país, principalmente quando roetamos para fora, não são lá uma Ferrari, correto?! E.. vejam só, sem link bom -> sem nuvem boa!

Com essa ferramenta, levamos todas as nossa contas de e-mail para a nuvem da microsoft, tudo administrado pelo seu navegador. Na versão completa ainda temos mais três softwares (ou serviços, como preferir), são eles: Microsoft Sharepoint Online, Microsoft Office Live Meeting e Microsoft Office Communications, além do Microsoft Exchange Online.

É a Microsoft mostrando

O que ganhamos e quem ganha com isso?
A equipe de T.I.C. ganha em produtividade/agilidade e segurança, já que para se ter um parque com SLA de 99,99%, ou seja, 5 minutos de parada por ano, significa investir muito, mas muito mesmo. Como em muitas Empresas o serviço de e-mail, pelo menos, é um serviço de alta prioridade, remetemos a responsabilidade de manter o ambiente em funcionamento e o investimento para a Microsoft e tudo isso por um valor irrisório, apesar de só ser vendido em Dólar, por enquanto (o que pode trazer um pouco de receio de Empresas desconfiadas… eu vivo do Dólar e no cenário atual, acho difícil uma alta significativa, mas…). Além disso, o TCO e o ROI do serviço é muito interessante, tendo emm vista que hoje em dia, quando uma nova versão do Exchange é lançada, por exemplo, o que devemos fazer? A resposta é simples: estourar o orçamento ou ficar com o software antigo… Usando o BPOS, acredito que o máximo que possa acontecer é um pequeno aumento nas mensalidades. Quanto ao ROI, se explica facilmente ao criar um projeto, lógico que depende do tamanho do seu ambiente, mas basicamente em uma empresa de médio porte, você somaria o total de licenças necessárias ara a aplicação do Exchange (calls de acesso do próprio Exchange, calls de acesso do Windows Server, anti-vírus, anti-span, etc), multiplicaria pelo número de usuários e dividira pelo tempo de vida estimado do software, não esquecendo que você ainda tem os custos com horas técnicas e hardware.

Eu sei, é um cálculo muito superficial, mas já torna o BPOS uma realidade na sua Empresa.

Nota: No vídeo eu falo que a PARTE 1  seria escrita, mas mudei de idéia, preferi escrever algumas coisinhas no post de cada uma das partes. Confesso! Indexação é tudo! hehehe

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.