SaaS – Mercado de software como serviço pode dobrar em 5 anos

Lí no Imasters, no qual é a fonte para esse pequeno artigo, que segundo o Gartner, o mercado para SaaS (software como serviço, em inglês) pode dobrar em cinco anos e possibilitará a movimentação de aproximadamente US$ 21,3 Bilhões em 2015, contra apenas US$ 10 Bilhões em todo mundo no ano passado.

Segundo Tom Eid, vice-presidente do Gartner, essa movimentação está ocorrendo por conta dos orçamentos reduzidos para investimentos com T.I. nas organizações, no qual vem exigindo cada vez mais o uso de tecnologias voltadas à Cloud Computing (Computação em nuvens).

Segundo o Gartner, 75% dos contratos hoje são fechados com desenvolvimento em SaaS e a esperança é de que seja atingido o índice de 90% em 2015 e o carro chefe são softwares de CRM.

Isso só faz com que a minha teoria (que não é nada inovadora) se concretize ainda mais. A Cloud Computing pode estar fechando algumas portas para os adminsitradores de rede e outros cargos, mas com muita certeza está abrindo para os desenvolvedores web…

Essa notícia faz com que pensemos: sua organização tem um software instalado nas máquinas hoje? Então você precisará de um desenvolvedor web para, no mínimo, convertê-los em aproximadamente 5 anos.

Fonte: Imasters – Notícia

Função do Botão +1 do Google

DROPS

Gurizada, no primeiro semestre desse ano (2011), o Google lançou o botão +1. Esse botão é muito semelhante ao Curtir do Facebook, porém, há mais uma utilidade por aí…

Ao clicar em +1 no seu site, o visitante estará ajudando no posicionamento do mesmo no mecanismo de buscas da Empresa (Google) que atualmente domina o mercado.

Então, não deixe de implementar o tal botão e faça com que o seu usuário lhe ajude com visibilidade do seu site.

 

Um abraço!

Google+ Google entra de cabeça no social

O Google anunciou recentemente que já está em testes do novo serviço Google+, onde todos nós vamos poder compartilhar com maior facilidade os serviços já disponibilizados pela Empresa. Notavelmente o Google busca mais uma vez – desta vez, acredito eu que da forma certa – superar a grande rival Facebook do conhecido ex-estudante da Harward, Mark Zuckerberg.

Depois do fracasso do Google Wave [Eu tinha] (cuja minha opinião é extremamente favorável ao serviço), muito se esperou do Buzz, que não passou de uma versão simplista do Twitter e agora do do botãozinho “+1” que promete ser muito mais do que o mero “Curtir” do seu “arqui-inimigo” do momento.

Um pouco mais velho que essa notícia e bem mais novo que o Google Buzz, foi o botão “+1”, que quase imediatamente passou a ser parte do corpo de milhares de sites e blogs do mundo inteiro. Aí começava o estágio da Empresa nas (pois não esqueci a existência do Orkut, apenas estou ignorando-o) novas redes sociais.

A nova rede social, promete maior agilidade no compartilhamento das informações, cujo cunho principal é a divisão dos seus amigos em grupos, denominados Círculos pela Empresa, nos quais conseguiremos compartilhar informações pertinentes à cada Grupo.

Hoje o mundo lê menos do que vê e fala! Pelo menos foi nesse aspecto que a Empresa apostou na hora em que pensava no desenvolvimento do aplicativo Hangout, no qual é possível fazer uma teleconferência com seus amigos/círculos.

O serviço Sparks, que na língua Inglesa significa “faíscas”, parece muito com o nosso “pinga-fogo”, muito conhecido pelos jornalistas. Esse serviço sugere links relacionados aos seus compartilhamentos, amigos e consecutivamente: interesses. Assemelha-se muito às sugestões de produtos em um e-commerce (bem desenvolvido hehe), o famoso BI (Business Inteligence).

Imagina se o Android não iria dar as caras por lá?! Claro, a Google criou aplicativos como Instant Upload e Hunddle, cujas funções são: enviar imagens diretamente do aparelho de celular e enviar mensages (SMS) aos seus círculos de amigos do Google+, respectivamente.

Esse projeto está sendo liderado á mais de um ano pelo vice-presidente da área social Vic Gundotra do Google.

Para finalizar, inscreva-se no site do Google+ que você será avisado quando o produto estiver disponível, aí começa a brincadeira!

A pergunta que não quer calar é: será que vai vingar?
A minha opinião é: SIM, como todos os outros fantásticos produtos (nessa lista, na minha opinião, também entra o Google Wave) da Empresa.

[Overview] Microsoft BPOS – Parte 1 e 2

BPO – Business Productivity Online

Quando fui apresentado à essa ferramenta, por um grande fornecedor aqui de Porto Alegre, no qual não vou citar, pois, não pedi as devidas permissões [ainda], realmente fiquei maravilhado. Apesar do fascínio por OpenSource da pessoa que vos escreve, realmente fiquei empolgado com o funcionamento da nova nuvem tão investida sonhada pela Microsoft. Ok, ao meu entender ainda estamos longe da situação ótima para a nuvem, pois cá para nós, os links disponibilizados hoje em nosso país, principalmente quando roetamos para fora, não são lá uma Ferrari, correto?! E.. vejam só, sem link bom -> sem nuvem boa!

Com essa ferramenta, levamos todas as nossa contas de e-mail para a nuvem da microsoft, tudo administrado pelo seu navegador. Na versão completa ainda temos mais três softwares (ou serviços, como preferir), são eles: Microsoft Sharepoint Online, Microsoft Office Live Meeting e Microsoft Office Communications, além do Microsoft Exchange Online.

É a Microsoft mostrando

O que ganhamos e quem ganha com isso?
A equipe de T.I.C. ganha em produtividade/agilidade e segurança, já que para se ter um parque com SLA de 99,99%, ou seja, 5 minutos de parada por ano, significa investir muito, mas muito mesmo. Como em muitas Empresas o serviço de e-mail, pelo menos, é um serviço de alta prioridade, remetemos a responsabilidade de manter o ambiente em funcionamento e o investimento para a Microsoft e tudo isso por um valor irrisório, apesar de só ser vendido em Dólar, por enquanto (o que pode trazer um pouco de receio de Empresas desconfiadas… eu vivo do Dólar e no cenário atual, acho difícil uma alta significativa, mas…). Além disso, o TCO e o ROI do serviço é muito interessante, tendo emm vista que hoje em dia, quando uma nova versão do Exchange é lançada, por exemplo, o que devemos fazer? A resposta é simples: estourar o orçamento ou ficar com o software antigo… Usando o BPOS, acredito que o máximo que possa acontecer é um pequeno aumento nas mensalidades. Quanto ao ROI, se explica facilmente ao criar um projeto, lógico que depende do tamanho do seu ambiente, mas basicamente em uma empresa de médio porte, você somaria o total de licenças necessárias ara a aplicação do Exchange (calls de acesso do próprio Exchange, calls de acesso do Windows Server, anti-vírus, anti-span, etc), multiplicaria pelo número de usuários e dividira pelo tempo de vida estimado do software, não esquecendo que você ainda tem os custos com horas técnicas e hardware.

Eu sei, é um cálculo muito superficial, mas já torna o BPOS uma realidade na sua Empresa.

Nota: No vídeo eu falo que a PARTE 1  seria escrita, mas mudei de idéia, preferi escrever algumas coisinhas no post de cada uma das partes. Confesso! Indexação é tudo! hehehe

Testando a compatibilidade do seu navegador

Teste de HTML 5 em navegadores
Teste de HTML 5 em navegadores
Teste de HTML 5 em navegadores

E aí galera..

Estava eu [agora], navegando no novíssimo Internet Explorer que baixei no note da minha namorada (mas que sacanagem né?! porque no meu só vai ser instalado quando for extritamente necessário) quando resolvi, vou testar a compatibilidade desse bicho com o HTML 5. Foi aí que resolvi perguntar ao mago Google, onde encontrei o seguinte site http://html5test.com/

Ele avalia diversos quesitos no seu navegador e te dá uma pontuação. O meu IE9 atingiu magníficos 130 de 400 (e mais 5 bônus).

Se você também quiser testar fique à vontade.

E nesse link http://html5test.com/results.html você consegue ver os resultados dos demais navegadores/browsers.

 

Abração!