Como hospedar seu app sem servidor?

Serverless

Como assim sem servidor? No seu dia-a-dia você vai ver que é isso mesmo, mas na real, nada mudou 🙂

Você já ouviu falar sobre serverless ou FaaS? Então é sobre isso que temos que conversar.

Serverless em tradução livre do inglês seria como “sem servidor”, de fato, o conceito é esse mas também não é bem assim. Na verdade a utilização de uma “arquitetura” serveless apenas “abstrai” a camada de infraestrutura de forma que você não precise se preocupar com isso.

Isso significa que podemos desenvolver um código na nossa máquina e simplesmente dar um deploy para algum player do mercado sem sequer configurar um docker, roteamento, alta disponibilidade, camadas de segurança, etc. Apenas desenvolva seu código e digite no terminal “plataforma_que_eu_escolhi deploy” e pronto! Olha que maravilha!

Tá mas e o FaaS? Essa é a sigla que utilizamos para definir Function As A Service, que pode ser considerado sinônimo de serverless. Os puristas por favor não me xinguem.

Beleza, então meu código tá viajando por aí e eu nem sei onde está? Mais ou menos.

Na verdade, o seu código está em um – ou mais – servidor(es) sim! A jogada aqui é que você não precisa se preocupar com isso, essa é a expertise do player que te fornece o serviço, você não precisa mais ficar dimensionando máquina virtual e configurando o ambiente.

Mas então é uma maravilha só! Vou usar para tudo. Calma! Não é bem assim. Veja abaixo as vantagens, desvantagens e quando usar.

Vantagens

  • Deploy muito prático
  • Setup muito rápido (muito mesmo)
  • Economia de tempo e dor de cabeça com infraestrutura
  • Não importa a quantidade de requisições, o seu serviço não vai “estrangular”

Desvantagens

  • O report de consumo geralmente não é muito claro (normalmente o serviço é cobrado por consumo)
  • Se você não tiver um “stop”, você pode gastar muito dinheiro, inclusive com um bug no código por exemplo
  • É bom que o seu código esteja bem otimizado
  • Não é legal usar para toda e qualquer coisa

Quando usar?

Já tentei usar essa solução de várias formas, certas e erradas (mais erradas do que certas hehe) até encontrar o caminho correto. Não tente subir uma API completa no Firebase Functions por exemplo, não é uma boa solução, não é bom para a sua aplicação e menos ainda para o seu bolso.

As functions são ótimos recursos para hospedar códigos que precisam ser chamados sob demanda para resolver um domínio da aplicação, algo que precise ser chamado, faça o que tenha que fazer e depois termine.

Um exemplo bacana seria: ao fazer o upload de um arquivo de imagem, o usuário envia uma imagem gigantesca para a aplicação, então você chama a sua função hospedada em uma arquitetura serverless e executa toda a otimização dessa imagem para depois armazena-la no bucket e com isso economiza, espaço em disco e grana no bolso, além de garantir o seu padrão da imagem, dimensões, tipo de arquivo, filtro, etc.

Outra aplicação legal é com a utilização de microserviços ao invés de um monolito. Mas isso é um papo para outra jarra de café.

Principais players

E aí, já se animou para testar essa infra? Praticamente todos os players que eu citei te fornecem uma conta gratuita onde você pode se divertir e testar suas aplicações. A experiência é maravilhosa, vai lá!

Em breve eu solto outro post pra te ajudar a fazer isso 😉

Clique em Serverless – Subindo meu código sem servidor (se o título ao lado não estiver com um link, significa que eu ainda não escrevi o post 🙂 )

Obrigado por ter me aturado até aqui e um grande abraço à todos!

Não esqueçam: vamos fazer coisas incríveis!

Live preview no Visual Studio Code

E aí galerinha do café, tranquilasso?

Hoje em dia, existem diversas ferramentas para auxiliar o nosso trabalho, principalmente com o front-end, na verdade acho que é a área mais “frenética” no momento em que escreve esse post (Set/2017). Fato é que além de frameworks, precisamos também de uma boa IDE, porque só maluco vai de VI, VIM ou Notepad 😀

Por muito tempo eu usei o Brackets pura e simplesmente porque ele tem a função de live preview, que é aquela função espetacular em que altera o arquivo no navegador na medida em que tu estás editando e com isso o desenvolvimento fica muitooo³ mais rápido e talvez até com mais qualidade.

Hoje em dia, ando tendo uma relação de paixão pelo Visual Studio Code da Microsoft, que apesar de ser Microsoft, é gratuíto e funciona em Mac e Linux também.

Esse editor tem uma interface bacana, te ajuda com debug e tem um terminal integrado, na verdade ele usa o terminal da sua máquina dentro da IDE, de qualquer forma, é uma mão na roda!

 

Hoje eu estava com o Brackets aberto e o Visual Studio Code também, quando me deparei, pera aí, deve ter alguma extensão de Live preview para esse cara e aí eu uno o útil ao agradável (pra mim, pelo menos).

Eis que então achei a extensão “Live HTML Previewer“, que está disponível aqui.

Para instalar é bem tranquilo. Lógico que tu precisas ter instalado antes o Visual Studio Code e para isso, basta seguir as instruções no site deles.

Depois de instalado o VS, pressione CTRL + P e digite o seguinte comando:

ext install live-html-previewer

Escolha a extensão na lista e clique em install.

Recarregue o Visual Studio Code

Pronto!

Para usar em uma aba no Visual Studio Code, pressione F1 ou CTRL + Q + S e digite:

Show side preview

Para usar em “tela cheia”, CTRL + Q + F ou pressione F1 e digite:

Show full preview

E, por fim, no navegador, CTRL + Q + W,

ou F1 e digite:

Open in browser

ou clique com o botão direito do mouse no editor e selecione

Open in browser

 

Feito!

Espero que tenham gostado.

Grande abraço!